Louco (Boaventura da Silva Filho)

Cap05-114

Quando estou fazendo uma peça não consigo começar outra. Fico nela até acabar. Não sei repetir nenhum trabalho, mesmo que seja com uma foto na frente. Eu sigo mais a madeira. Cada dia é uma coisa nova na mente e tudo tem saída. (…) É porque eu sou louco pra trabalhar! Fui o primeiro artista da cidade. Trabalho com inspiração e amor. Às vezes me afasto de tudo – vou pro mato, fico lá sozinho, sem zuada, só com o meu radinho e os troncos de madeira, despreocupado, longe da mulher, dos dez filhos, dos fregueses. Todas as minhas peças têm um nome: ‘Cabeça de Oxalá’, ‘São Lázaro’, ‘Adoração do Candomblé’, Adoração de Iansã e Oxalá’, ‘Mãe e Filho’, ‘Oxalá de Braços Abertos’ ou ‘Senhor do Bonfim’, ‘Iemanjá’, ‘Santa Ceia’, ‘Adoração do Cavaleiro da Mata’, ‘Adoração de uma Carranca’, ‘Anja das Trevas’, ‘Ogam Tocando o Atabaque’…

Localização

Bahia, Cachoeira

Endereço

Cachoeira, Bahia

Livros

O Reinado da Lua