Doidão Bahia (José Cardoso de Araújo)

Captura de tela 2015-02-12 10.01.54

Um dia, a gente estava expondo no meio da rua, em Cachoeira. Vieram umas freiras passeando com as crianças, e não queriam que as crianças encostassem nas peças, porque diziam que “isso é trabalho de louco, é trabalho de doido”. Meu tio, aí, captou logo: botou o nome Louco. O outro botou Maluco. E eu, que lixava e dava acabamento final nas peças, botei Doidão. A expressão forte sai de dentro da gente mesmo. É uma coisa que é criada com a gente. Tanto que praticamente quase todos os nossos trabalhos não mostram – não sei se vocês já perceberam – umas feições alegres; são sempre feições tristes. É uma coisa que a gente não pode nem explicar. Já tentei várias vezes fazer – e já fiz – peças quase rindo. Mas é um esforço muito grande. Não é pela técnica; é pela força mesmo do trabalho. O orixá mesmo, você pode ter certeza de que nunca sai rindo ou alegre.

Localização

Bahia, Cachoeira

Endereço

Rua Ana Nery, 42 – Centro | Cachoeira | CEP: 44.300-000 | Tel: (75) 3425-2764 / 9981-6288 / 3414-3018

Livros

O Reinado da Lua

Santeiros da Bahia